terça-feira, 21 de julho de 2015

É PRECISO RENUNCIAR


''Há uma doce teologia do coração que só se aprende na escola da renúncia.'' (A. W. Tozer)

Ah! como concordo com essa frase e como ela veio de encontro a mim. A sensação foi de um murro no peito.

É preciso renunciar aquilo que traz peso, discórdia e uma falsa possibilidade de se ter encontrado a panaceia para a alma e o espírito.

Freud diz em seu famoso livro: O Mal Estar na Civilização, de que o fim máximo do homem é a busca da felicidade.

Percebo que muito se fala de felicidade e pouco fala-se de paz. A paz interior só encontra abertura para entrar quando nos dispomos a renunciar.

Renunciar o que? coisas das quais querem nos obrigar a fazer, atitudes que não queremos deliberadamente tomar, mais nos dizem que temos de fazer. Renunciar as múltiplas pressões. Renunciar quando querem fazer a gente engolir goela abaixo coisas que de fato não queremos.

Renúncia não é um ato de rebeldia, não! É um exercício de limpeza do ser. O eterno ato da cruz feito por ELE em favor de cada um de nós, nos convida a renunciar cotidianamente aquilo que traz intoxicações a alma.

Pensemos nisso!''A vulnerabilidade soa como verdade e sente-se como coragem. Verdade e coragem não são sempre confortáveis, mas elas nunca são fraqueza.'' (Brené Brown)

É bom descobrir com profundidade que certas experiências nos trazem alívio, leveza de caminhar. Por exemplo, a consciência de que nossas limitações são supridas Nele que tudo pode!

Não quero ser poético, sem essa pretensão, nem escrever poesias existenciais, só compartilho aquilo que acredito rs. (Um amigo muito querido disse que eu sou um idealista romântico kkkkkkk).

O fato é que estou convencido de que admitir a vulnerabilidade, condicionar a falibilidade humana ao poderio do Mestre dos Mestres, pode ser um oceano de paz.

Ótima tarde.

Nenhum comentário: