domingo, 21 de outubro de 2012

O ESTIGMA DA CELEBRIDADE




O homem que se torna célebre fica sem vida íntima: tornam-se de vidro as paredes de sua vida doméstica; é sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas mínimas ações – ridiculamente humana às vezes – e que ele quereria invisíveis, coa-as a lente da celebridade para espetaculosas pequenezes, com cuja evidência a sua alma se estraga ou se enfastia. É preciso ser muito grosseiro para poder ser célebre à vontade. (trecho do texto: Celebridade de Fernando Pessoa)



Um dos grandes protagonistas para alcançar o status de celebridade são os realitys shows televisivos e as novelas. Decorrente de uma participação nestes programas acaba-se rendendo fama, baladas de sucesso, espaços privativos, aparecimentos em programas televisivos e afins. Há um incentivo da mídia em geral, para que as pessoas entrem no rol das celebridades. Há uma corrida frenética, para: aparecer, estar em evidência, ser notado, ser protagonista, tomar a atenção da mídia, ter uma nota nos tablóides famosos. Afinal, não estaria por de trás de tudo isso, uma patologia da alma humana?


Por que ser uma celebridade é uma obsessão para tanta gente? Carência humana? Puramente vaidade? São indagações que proporcionariam muitas horas de debate. As pessoas não aceitam menos do que a verossimilhança. Muito mais do que um impulso cultural ou influência midiática, ser uma celebridade tem se tornado para muitos, uma questão de sobrevivência.


O rótulo da fama é como um medalhão que nos torna aptos para a vida, é como uma condecoração, como um diploma do: agora sim, sou alguém!!!


Tolice e equívoco é basear a vida na fama, esquecendo-se da beleza da simplicidade e do anonimato. Madre Tereza de Calcutá doou sua vida em servir os menos favorecidos, sempre buscou se esquivar dos holofotes da mídia, sua singeleza de coração, foi na verdade seu grande VALOR.


Quem dera tivéssemos mais madres Terezas neste mundo tão superficial e complicado. Ser notável, é ser honrado na vida, é não perder a humildade, é não buscar o topo para humilhar os subordinados, é não agir com verossimilhança, é ser o que você é!



Pense nisso!



Anderson Flávio





segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A EBULIÇÃO DA ALMA


Platão que foi discípulo do filósofo Sócrates, propôs algumas atitudes do ser humano em relação ao conhecimento. Dentre elas, uma interessante; é o Perspectivismo.





No Perspectivismo acredita-se que há verdade absoluta, porém, temos acesso parcial a ela, por conta da limitação dos nossos sentidos humanos.




A filosofia é muito interessante neste aspecto, pois ela não promove o alcance ou mesmo tornar a verdade palpável, mas indagar, questionar. É extraordinária a relevância da Filosofia para o ser humano, a abrangência que ela gera em nossas mentes é simplesmente fabulosa.




Ter a perspectiva de uma verdade, trás uma ebulição quase que incontrolável em nossa alma. O vislumbre de se viver uma verdade é estupendo. A verdade trás motivação, ecoa em nossos ouvidos, com a equivalência de uma orquestra sinfônica bem regida. Faz-nos tremelicar o corpo, causa-nos arrepios na pele, sussurros no recôndito de nosso ser.




Essa é uma conjectura de que, o Criador nos delimitou no sentido do entendimento da vida, e em relação à complexidade que cada verdade oferece, para que; não nos perdêssemos em meio à ansiedade, despreparo momentâneo e inobservância da essência da verdade.


Por isso, dia após dia, vamos fortalecendo nossas perspectivas em relação às verdades que se tornam notórias; que vão se evidenciando, de modo que, toda a complexidade da vida vai se revelando a nós, e com isso vamos entendendo paulatinamente toda gama de ensaios proporcionada pela vida.




O perspectivismo é uma atitude do ser humano ante o conhecimento, temos acesso parcial à verdade absoluta. Quem somos nós, para julgarmos algumas situações?


Quem somos nós, para entendermos as riquezas profundas de Deus?




Não se esqueça!


A Graça (favor imerecido) de Deus é incomensurável. Se nossos sentidos não fossem limitados, muito provavelmente nossas palavras proferidas seriam sentenças de destinação. Nosso olhar seria como um bastão de poder, nossas mãos seriam como chicotes cortantes provocando marcas indeléveis.




A verdade vai sendo revelada conforme a maturidade do nosso ser, de acordo com a inspiração divina e, sobretudo quando a cortina de nossos olhos vai sendo aberta pelo excelso Criador, essência de toda verdade.




Pense nisso!




Anderson Flávio

terça-feira, 31 de julho de 2012

O VALOR DA CRÍTICA





´´ Criticar é acima de qualquer coisa, Separar o que serve do que não serve´´. ( Mário Sérgio Cortella )

Ouvi hoje pela manhã esta fala do Cortella na rádio CBN. Despertaram-me algumas coisas relevantes em relação à crítica, o Cortella tem uma facilidade enorme de mexer com a nossa mente, ele é um pensador diferenciado.


A crítica tem de ter um objetivo construtivo, não devemos emitir críticas evasivas, carregadas com certa dose de maldade, a fim de ferir o receptor da mensagem. Também não é coerente fazermos críticas que possam gerar situações conflituosas. Toda crítica deve ser bem pensada antes de ser expressa, tendo como pressuposto importantíssimo de que ela passará pelo crivo da interpretação. O ouvinte da crítica em questão precisa captar o que de fato estamos querendo dizer.

Melhor é que nos calemos em determinadas circunstâncias, se tivermos uma auto-percepção de que nossa crítica gerará negativismo. Temos de ter em mente a inevitabilidade dos pólos: positivo / negativo. Como o Cortella explica: é separar o que serve do que não serve. Isto é, distinguir os elementos que norteiam a causa, mas o intuito deve ser sempre construir. A crítica deve vislumbrar o melhoramento, a crítica não tem de se empavonar em sua imponência oratória ou escrita. Crítica não é sinônimo para discussão, lembrando que numa discussão o objetivo é que uma pessoa só saia vencedora. Na crítica o objetivo é inserir o construtivismo.

A crítica pode ser um divisor de águas, pode nos levar a ampliar nossos horizontes, a repensar nosso caminho, ser uma ajuda que venha nos melhorar como gente!



Pense nisso!



Anderson Flávio

sábado, 2 de junho de 2012

CÁRCERE DA ALMA



Na alma reside o centro de nossas emoções e sentimentos. Muitas pessoas não conseguem viver se quer um dia de modo tranqüilo, pois sempre há um incômodo interior que desestabiliza o indivíduo. O ser humano precisa urgentemente libertar o seu EU, isto é, potencializar suas habilidades, sair da zona de conforto, negar o conformismo, abandonar as regiões gélidas da alma, onde não se pode plantar e nem colher; e prioritariamente vencer a passividade: a grande vilã das derrotas.

Na vida inevitavelmente passamos por muitas contingências e turbulências no campo emocional e afetivo, o que sem dúvida deixa marcas. No entanto, a passividade é uma terrível parasita que esmorece o indivíduo, de modo que, em muitos casos uma pessoa torna-se prisioneira de si mesma. O ex-presidente dos EUA tem uma frase muito verdadeira ´´ o conformismo é o carcereiro da liberdade e o inimigo do crescimento ´´. (John Kennedy)

Uma analogia simplória, mas que expressa uma verdade; é o fato de uma pessoa que sofre um corte em alguma região de seu corpo. O corte dói, machuca muito. O que estanca o corte são os remédios receitados, os cuidados médicos, tudo isso faz com que o corpo vá reagindo ao ferimento e comece a entrar na fase de cicatrização. Essa cicatrização é sinônima de: melhora; esperança, fechamento de vazamento de sangue entre outras. Do mesmo modo é a vida. Vivemos algumas experiências trágicas, que doem, machucam muito, que ferem profundamente, no entanto, no decurso do tempo, com a inserção de positividades mentais, com o abandono do estado de passividade, nós vamos reagindo às situações mais adversas, tornando-nos mais confiantes em nós mesmos, potencializando nossas habilidades, e todo esse conjunto vai ajudando a libertarmo-nos do cárcere emocional, das palavras pejorativas, dos complexos de inferioridade e afins, das derrotas que ficaram incutidas em nossas mentes. O eu pode começar sua reação por diversar formas, por exemplo: despertar da consciência, leituras, visualização da vida sobre uma ótica positiva, auto-motivação para ser um protagonista na vida e não um mero coadjuvante.

Um dado empírico é alimentar a mente de uma consciência muita clara e evidente de Deus. Vivendo uma vida em temor ao Criador Supremo e fazendo com que o EU seja o nosso gestor psíquico, com certeza nossa alma se libertará de uma vez por todas do cárcere que a aprisiona.

Abaixo a passividade, busque uma reação, alimente-se da força suprema de Deus, liberte o seu EU, isto é, acredite em você mesmo.

Pense nisso!

Anderson Flávio



sábado, 31 de março de 2012

SUPRIMENTOS DA GRAÇA



Graça é favor imerecido. Quem bom que não merecemos; se não todos nós iríamos ser insuportáveis. Já desejamos tanto sem merecer, imagina se merecêssemos de fato. Já parou para pensar nisso?

O que consola e acalenta meu coração e alma, é ter o amparo de em cada contingência da vida saber que os suprimentos da Graça divina irão me levar a superar aquilo que eu não posso.

Nas trilhas percorridas no decurso da vida, somos como um bebe recém-nascido no colo de sua mamãe ou papai. A proteção devotada há um nenê é amplamente cuidadosa. É inconcebível o fato de que algo que venha atingir o nenê negativamente alcançar lugar, ter acesso a ele. Do mesmo modo, hoje refletindo sobre a Graça de Deus sobre as nossas vidas, fiquei pensando como os suprimentos da Graça divina nos sustentam ininterruptamente. Como a Graça de Deus vai construindo em nós um caráter decente.

As arestas do homem caído vão sendo limpas de dentro do nosso coração paulatinamente, dia a dia. Ainda assim, nunca nenhum de nós será capaz de se isentar da sombra Onipotente da Graça.

Graça salvadora, Graça absolutamente suficiente, Graça que nos redime. Graça que melhora a cada um de nós como gente. Graça que observa nossos passos em direção ao erro e subitamente nos preserva da morte e das masmorras espirituais. Graça que gera em nós uma consciência clara de pequenez, de que seremos sempre DEPENDENTES da luz maravilhosa de Cristo Jesus.

Graça divina: a luz que permeia todo o palco de atuação do grande espetáculo chamado: vida diária.

Pense nisso!

Anderson Flávio




       

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

UM VAZIO DO TAMANHO DE DEUS!



Um pensador russo chamado Fiódor Dostoiévski disse uma frase emblemática: ´´ no coração do homem há um vazio do tamanho de Deus ´´.


Todo ser humano em algum momento da vida sente-se um tanto vazio, tristonho, angustiado ou desalentado.

A alma (o centro das emoções) busca incessantemente razões de cercadura contra o vazio. No decurso do tempo, nossas buscas tornam-se cansativas, rotineiras e perdemos o encantamento. Tudo isso acontece porque chegamos numa conclusão de que: SER ser humano é sinônimo de ser imperfeito, isto é: frágeis e limitados, embora batalhemos o tempo todo em busca de caminhos mais excelentes.

Paulo (apóstolo) quando discursou no areópago na cidade de Atenas disse algo sobre Deus: ´´ porque Nele vivemos, e nos movemos e existimos ´´ (texto contido na Bíblia em Atos 17:28)

Paulo quis ajudar os gregos, filósofos epicureus e estóicos na compreensão de que, por mais intelectualidade que se tenha, por maior grau de conhecimento que se adquira, por mais dinamismo que se implemente no modo de viver, Nele (Deus) nos movemos e existimos; e que sem Ele, a sensação de vazio nunca deixará de visitar o interior do homem.

Só o entendimento de que somos ou deveríamos em tese sermos a imagem e semelhança de Deus, é que nos liberta deste imensurável e aterrorizador vazio. Semelhança de Deus em atos de bondade, de doar-se ao outros sem esperar nada em troca, de cultivar um coração generoso.

Nosso desafio enquanto ser humano é abortar toda intempérie que se ponha diante de nós, é diagnosticar as possíveis infecções mentais que tentam se infiltrar em nossas mentes; é atenuar desesperos, tendo uma consciência muito clara de que a vida deve ser vivida na sua mais completa intensidade, é interiorizar a consciência do divino em nosso ser, de modo que possamos viver uma vida tranqüila de consciência, de práticas e de criações.

Há um vazio no coração do homem do tamanho de Deus, que só pode ser preenchido por DEUS!

Pense nisso!

Anderson Flávio